31 de jan de 2012

Desafio Literário: Chocolate - Joanne Harris

Uma fofura! Li em um folego só.
Amei o tema desse mês, me deixou inspirada...
Sabe de uma coisa??? Amei ler esses livros, por consequência minha lista de livros aumentou um bocado, mas enfim, deixe-me falar um pouco do livro.
O que você acha de ler um livro onde tudo se passa no interior da França, em uma cidadezinha na região de Toulousse (se não conhece, pesquise, é uma das mais belas regiões da França), onde o cenário é mágico e toda a estória é encantadora??? Assim é chocolate!
A estória é básicamente esta: Vianne Rochet leva uma vida errante, de cidade em cidade, no entanto desta vez deseja fixar residencia e parar com suas andanças.
Vemos um pouquinho de mágica, de chocolate e intrigas provincianas. Nós apaixonamos por Vianne e Anouk, com seu jeito diferente e inovador.

30 de jan de 2012

Diário de Bordo


Não é a primeira vez que viajo e tento fazer um “diário de bordo”, e com certeza também não será a última, mas devido a minha irregularidade para postar, acabo nunca colocando a idéia em prática.
Dessa vez resolvi fazer apenas um relato de como foi minha viagem, por que afinal de contas, se não deixarmos registrado, agente acaba esquecendo-se de certos deleites da vida, pois nós seres humanos sempre nos lembramos das coisas ruins e esquecemos as boas...
Para começo de conversa, a viagem foi muito boa, apesar de ter que ficar 12 horas sentada dentro do carro esperando chegar ao meu destino, segundo, os sete dias que lá passei foram ótimos, pois andei de bicicleta como eu não andava há séculos, passe-ei bastante, fui bastante no mar, passe-ei com meu cachorro e quase não conversei com meu namorado, porque afinal de contas a operadora do meu celular é uma porcaria.
Foi muito bons os dias que passei na praia, ajudei a minha avó um mocado no comércio dela, para falar a verdade ajudei bastante, mas fui recompensada com um maravilhoso milksheik de chocolate.
Minha avó mora numa cidade que tem praia, mas que é interior, e não, minha familia não é dessa cidade (Graças a Deus), mas isso é assunto para outro poste, o que interessa saber é que lá é uma cidadizinha pacata quando não têm turistas, mas que apesar de tudo, tem seu lado bom.
Sinceramente, se eu tivesse que morar aqui, eu não iria querer... Aqui é bom apenas para passar as férias.
Ir para esta cidade foi ótimo, pois afinal de contas eu acabei dessestressando da minha rotina, espero sinceramente que eu esteja pronta para outro ano supper cansativo, mas não foi só por isso que foi bom vir aqui não, ressuscitei uma ideia que a muito rondava a minha cabeça e que por algum motivo obscuro eu não colocava em pratica: voltar a pintar. Não, eu não pinto em tela, mas pinto em tecido e sinceramente, gosto, estava sentindo falta, sempre gostei de desenhar, pintar, colorir, e como não pude ainda aprender pintar em tela, acabei fazendo um cursinho de pintura em tecido, que foi ótimo, mas isso foi a tantos anos atrás... Tomei coragem e acabei comprando lá na praia mesmo um material basicão para recomeçar a pintar...
Outra coisa que gosto, mas não é tanto assim, é cozinhar, pegar receitas e fazer... mas até pouco tempo, eu era um desastre para isso (eu sei cozinhar tah?), comecei a reparar na quantidade de livros de culinária que eu comprei ano passado, primeiro o le pettit larousse do chocolate, depois dois livros de cupcakes, um desejo ainda não saciado por comprar um livro da larousse de receitas e varios os mini livros, além dos de fazer salgadinhos...
Esse mês no desafio literario, o tema era: Gastronomia, bem acabei deixando o livro julie e julia como reserva, mas acabei lendo, e lendo o livro, acabei inspirada em tentar ousar novamente na cozinha, e você se pergunta e o que isso tem haver com a praia? Eu lhe respondo: Comprei uma agenda de culinária aqui e já até sei qual a primeira receita que vou anotar nele: patê de ricota.
No geral foi isso, acabei comprando umas revistas de decoupagem e encontrando uma caixa com gavetas que irei levar para usar na igreja, mas que irei usar as tão sonhadas tecnicas de decoupagem.
É eu sou louca,e minha familia é biruta...

Bjkas e sim, esse post foi sem pé e nem cabeça...

Desafio Literário: Julie & Julia - Julia Powell


Eu disse que não leria amaioria dos livros que deixei como reserva e que leria alguns, mas não disse quais. Julie e Julia estava na lista dos que deveriam ser lidos!
Fazia um tempo que queria lê-lo, mas por motivo aparente algum não o lia, o Desafio Literário me proporcionou essa oportunidade.
Julie está em crise. Prestes a completar 30 anos, em um emprego medíocre e sufocada pela pressão crescente para que tenha um bebê, sente-se incapaz de achar um rumo diferente para sua vida. As coisas não parecem favoráveis, especialmente quando ela se vê obrigada a mudar para uma quitinete que prefere chamar de "loft" em um bairro afastado, longe do trabalho e dos amigos. Entretanto, a solução aparece durante uma visita à casa de sua mãe. Sentada na cozinha, pensando em uma solução para sua vida, ela encontra um antigo livro de receitas: Mastering the Art of French Cooking, de Julia Child. Ao folheá-lo, surge a ideia que pode transformar o rumo das coisas: Julie decide preparar a primeira receita do livro que introduziu a culinária francesa no cotidiano das famílias norte-americanas. No entanto, ela não poderia imaginar onde iria parar essa despretensiosa experiência gastronômica. Convencida pelo marido, Julie decide dar início ao Projeto Julie/Julia, no qual deve fazer todas as 524 receitas do livro de Julia Child em um ano - e escrever um blog relatando o feito. Neste poderoso romance autobiográfico, acompanhamos uma lição saborosa entre risos, lágrimas e vexames, onde Julie Powell mostra seu talento incontestável de se conectar com os leitores e comprova porque seu blog tornou-se tamanho sucesso.
Julie Powell nasceu em Austin, Texas, e hoje vive em Nova York. Depois de passar um ano cozinhando enlouquecidamente em sua minúscula cozinha, pôde enfim se dedicar à carreira de escritora em tempo integral. Julie & Julia ganhou o Booker Prize de 2006, prêmio dado aos melhores livros criados a partir de blogs. 
A Desafiante: Julie Powell, prestes a completar 30 anos, presa a um emprego sem perspectivas e em busca de um novo rumo para sua vida. 
O Mito: Julia Child, autora do livro de receitas que apresentou as maravilhas da culinária francesa às donas de casa norte-americanas. 
O Desafio: Preparar todas as 524 receitas de Mastering the Art of French Cooking, o livro clássico de Julia Child, em apenas um ano - e sobreviver para contar a história.
Julie Powell escreve de forma leve e discontraida, quase chego a imaginar a personalidade dela: DRAMATICA!!! Não que eu também não seja... É, eu sou!
Uma coisa é certa, Julie é desboca, temperamental, mas uma ótima cozinheira!(Pelo que li, é claro).
Julie estava a beira dos 30 (e a famosa crise dos 30!), tem uma sindrome que a deixa gordinha e peluda, além de que dificulta que ela engravide, esta sendo precionada por seus médicos para ter um bêbe por causa da sua idade e vivia infeliz com o seu cargo de secretária. O marido propoe que ela escreva umblog e acaba topando, onde acaba nascendo o projeto Julie e Julia, que consiste em fazer em um ano as 500 e tantas receitas da famossima Julia Child.
Vale salientar que as receitas eram todas de pratos franceses.
Confesso que me senti um pouco confusa pelo estilo empregado pela autora para contar sua história, mas é um jeito que eu também ás vezes adoto, então quem sou eu para falar alguma coisa.
Então, o livro é engraçado, dei boas risadas e me apaixonei por gastronomia (tah, eu sei e gosto de cozinhar, mas sou preguiçosa, prefiro o encanto dos livros. Esse livro, no entanto, me fez amar mais “gastronomia”). Sou muito chata para comer, mas admito que alguns pratos que eu nunca comeria devido seus ingredientes, me deixaram com água na boca.
A leitura foi divertidissa e bem bacana, e as vezes me senti parte daquelas histórias e daqueles dramas... Minha nota??? 4!
P.S.: Não irei falar sobre o filme, pois ainda o verei...

Desafio Literário: Papel Manteiga para embrulhar Segredos – Cristiane Lisbôa


Acho que o mais legal no desafio literário é viajar por temas que não viajariamos ou que até gostariamos de ler (como é o meu caso), mas que acabamos não lendo por um motivo ou outro.
O tema desse mês é gatronomia!
Não livros de gastronomia em si, mas de livros que usem esse tema como ponto de partida para suas estórias...
Sempre me aventuro a escolher um dos livros sugeridos, neste caso foi papel manteiga para embrulhar segredos.
De fato, o titulo chamou minha atenção, mas fiquei desconfiada, resolvi investigar e gostei do que descobri, fiquei louca para ler o livro. Mas confesso que fiquei um pouco decepcionada com o número de páginas, o tamanho do livro e a primeira carta, mas a medida que embreava-me por suas páginas, fiquei encantada, queria que tivesse 10 vezes mais páginas do que realmente tem, mas me satisfiz com a estória.
Antes de apresentar o enredo, gostária de dizer que fiquei encantada com a forma como Cristiane Lisbôa escreve, na época tão jovem, mas ao mesmo tempo tão experiente...
Nosso livrinho conta a história de Antônia, que vai para lá onde judas perdeu as botas, aprender com Srta Virginia (Uma senhora para lá de complexa) os mistérios da culinária.
A autora não se preocupa em nós dar uma localização de onde corre a estória, as poucas informações que temos são através das cartas que a garota escreve para sua bisavó e é atraves dessas cartas que entendemos o mundo que cerca a vida de Antônia, mas tudo ocorre lentamente no decorrer das 101 páginas.
Entre as cartas há sempre receitas, que euzinha pretendo, Deus sabe quando, experimentar. Receitas fáceis, mas com um jeitinho refinado.
O que mais me encantou foi a forma poetica da autora escrever, quase me sentia lá, junto com a Antônia, vivendo as peripécias da garota que correu atrás de seus sonhos.
Minha nota para o livro??? 5 (Numa escala de 1 a 5, é claro).
Foi um prazer ler um livros nacional contemporâneo de tal qualidade, estou louca para ler os outros livros da autora, que parece ter um estilo bem encantador de escrever. Aprendi muito com Antônia e me encantei com o lugar para onde ela foi e com o contato intímo que aprendi a ter com os alimentos.
Deixo com vocês, um trecho do livro e uma receitinha...
(...) Bisinha,
Se engana a senhora e me enganei eu pensando que depois daquela noite memorável, com aplausos e lágrimas, as coisas iriam mudar por aqui. Aliás, esses dias, quando ri dizendo que as medidas da Senhorita eram por demais subjetivas ‘uma nova de licor, um nada de estragão, uma ponta de mostarda’, tive que voltar ao castigo primário, lá do início do aprendizado: comer terra. (...)” – Página 71.

Batatas Gratinadas
600g de batatas descascadas
300ml de creme de leite fresco
2 ovos batidos
2 alhos picados
2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado
Manteiga para untar
Folhinhas de tomilho fresco
Pimenta branca e sal

Misture o creme, ovos, alhos e temperos. Fatie finamente as batatas e coloque-as no creme. Retire e disponha em assadeira untada com manteiga. Despeje o creme restante e polvilhe com queijo ralado. Asse em forno médio, até as batatas ficarem macias e bem douradas.
(Página 12)

P.S.: Quase me esqueci, a arte gráfica estava nota 10!!!

29 de jan de 2012

Contos Celtas – Joseph Jocobs




Recentemente a Editora Martin Claret começou a lançar uma coleção de contos de fadas, os primeiros quatro volumes se destinam aos contos Celtas, e é sobre eles que irei falar.
Até o dado momento foram lançados apenas dois volume:
Princesas e Damas encantadas
Bruxas, Bruxos e os feitiços mais cruéis que se pode imaginar.

Há quem não goste das publicações da Martin Claret, eu gosto, tenho tido a acesso a livros que nem se eu quisesse conseguiria imaginar. A edição gráfica dessa coleção não tem deixado a desejar não, as capas são lindas e durante toda a leitura há páginas ilustradas.
No primeiro volume são 12 contos e o segundo são dez, e os próximos, só Deus e o povo da Martin Claret é que sabem...
Então, não vou falar muito sobre os livros, apenas que são bons, mas são adaptações de do livro de contos celtas de Joseph Jacobs que muito apaixonado pela estórias celtas, resolveu deixar registrado as histórias que tanto o encantava.
Bem, particularmente eu gostei muito do trabalho da editora Martin Claret, além do mais me deleitei em ler esses contos celtas, pois quem me conhece sabe o quanto eu gosto de mitologia, principalmente celta.
Para quem gosta de uns bons continhos, fica a dica. 

Miscelânia # 9


  • É quase oficial, mas as férias acabaram!
  • Faz quase uma década que eu não posto nada, mas prometo que para os dois últimos dias do mês, tem muita coisa vindo por ai, inclusive minhas resenhas literárias do desafio literário...
  • Tô melancólica, fiz muito e nada ou mesmo tempo nessas férias, e sobrou tanta coisa para a próxima... Nem que eu me desdobrasse em mil eu iria conseguir fazer tudo o que tinha que fazer, mas afirmo, foi cheia as minhas férias, nem deu para ter dias de ostracismo!!!
  • Trabalhar com pré-adolescentes tem sido um desafio e tanto, ainda estou meia assustada, afinal de contas recebi a notícia de supetão, valha-me Deus, esse povo tinha que ser um pouco mais caridoso, o que Paulo nos exorta a sermos lá em I Corintios 13???
  • Se não curti o ostracismo, em contra partida minha mente esta fervilhando de idéias, nem sei o que vou fazer com todas elas, sei apenas que alguma coisa deve ser feita.
  • Estou lendo o jogo do anjo e para variar, o maldito do Zafón não se cansa de me surpreender!
  • Não sei mais o que dizer... Só quero paz!

13 de jan de 2012

Miscelania de Férias #4



·         OK! Já estamos quase no meio de janeiro e eu ainda não fiz nada!
  • ·         Filme pornô gospel foi a melhor do ano! É, começamos o ano de 2012 com o pé esquerdo. Cheguei a uma conclusão, quando eu acho que já vi todas as formas possiveis de detuparção da palavra de Deus, vem um idiota e inventa uma pior. O mundo está pior do que sodoma e gomorra, imagino o quanto o coração de Deus deve se encontrar triste por causa dessas coisas...
  • ·         Minha vida literaria anda um caos.
  • ·         Conclui que é o Cromossomo Y é que fazem os homens serem tão desorganizados, é genetica, simples assim.
  • ·         Ás vezes a gente se surpreende, estou sofrendo de amor platonico pelo meu cachorro... ops! Não pense besteira (também exagerando dessa forma, quem não pensaria???). A verdade é que alguns meses atrás, minha mãe ganhou um cachorro, e eu reclamei que não queria um cachorro em casa, por que eles são muito porquinhos e ainda mais iam expulsar meus gatos. Mas meses depois a coisa mudou e depois que minha mãe foi viajar piorou mais ainda, eu não desgrudo do cachorro e ele não desgruda de mim, ele é muito fofo e carinhoso.
  • ·         Essa semana tive uma noticia inesperada, depois de tanto encher a paciencia do suprerintedente da minha igreja e quase montar um projeto para ser ouvida minhas petiçãoes, enfim resolveram me dar ouvidos, a sala de pré-adolescentes foi criada na minha igreja. Ótimo! Fiquei supper feliz, o problema é: EU VOU SER A PROFESSORA! Eu fui bem enfatica quando disse que a ideia não era eu ser a professora, só estava notadando alguns alunos deslocados por falta dessa sala, mas como não me escutam, resolveram me colocar como professora. Foi tão de sopetão que eu ainda não digeri a idéia, e nem deu para me despedir dos meus pimpolhos...
  • ·         A outra grande notícia: uma grande amiga, que já foi minha professora na EBD e que muito me ensinou e ainda ensina, vai ser profesora comigo nessa nova classe. A Sandra é tão inteligente, eu é que vou aprender. Além de que é emocionante, pois nunca me imaginei dando aula na EBD com minha professora querida! Certamente, essa é uma nova fase em minha vida.
  • ·         A parte ruim de tudo??? Já li e reli a revista dos meus pré-adolescentes e não tenho nem ideia do que irei falar com eles, era muito mais fácil dar aula para os juniores...
  • ·         Sherlock Holmes entrou em cartaz essa semana, estou louca para ver.
  • ·         Depois de uma semana por conta da minha casa e sem mamãe para administrá-la, pude concluir que ser dona de casa dá muuuiiito trabalho! E poxa, meus irmãos não tem apenas 1 cromossomo Y, mas sim, 2 Cromossomos Y, pois essa é a única explicação lógica para eles serem tão bagunceiros.
  • ·         Semana que vem será apenas sombra e agua fresca...

8 de jan de 2012

Lembra - Cristina Mel

Essa música é linda, é uma versão aportuguesada de uma canção americana, no entanto, a versão "aportuguesa" também é linda. A letra fala, do amor de Deus para com nós, leva-nos ao primórdio de nossas tristezas, quando ele veio e nós resgatou.
~*~*~*~*~
Lembra (Memory) 
Cristina Mel Lembra


Lembra
Te tomei em meus braços
Tão cansado da vida
Você quis desistir
Disso tudo
Das promessas que alguém te fez
Fez-te acreditar 
 Lembra
Enxuguei os teus olhos
Dos espelhos de mágoas, sem poder prosseguir
Tua história, ninguém jamais vai querer se lembrar
Meu amor pode apagar 
 Meu amor por ti, é imenso
É tão mais alto e forte
Além das nuvens e do céu cinzento
Além do que os olhos vêem 
 Lembra
Te aceitei como estavas
Eu nem mais me lembrava
Jamais lhe perguntei do passado
Como criança de colo eu te amei
Saiba que eu nunca te deixarei 
 Meu amor por ti, é imenso
É tão mais alto e forte
Além das nuvens e do céu cinzento
Além do que os olhos vêem...
 "Memory, all alone in the moonlight
I can smile at the old days, i was beautiful then
I remember the time i knew what happiness was
Let the memory live again" ... 
Eu nunca te deixarei.

Memórias Iconográficas #1

Oi, hoje vim relatar minhas lembranças de uma forma bem diferente, tive a formidável ideia de tirar foto de tudo oque me chamava atenção ou me marcava, ontem passeado pela net, por um acaso acessei um site, que falava justamente sobre isso, tirar uma foto todo dia de algo que foi marcante para si, de tal forma que você possa depois olhá-las e lembrar da sua vida, é uma forma de contar sua própria estória, só que através de imagens.
Além de que é uma forma de guardar coisas que nos marcou, mas que acaba caindo no esquecimento, também serve para mostrar como agente mudou durante o tempo, como mudamos nossas prioridades.
Escolhi o nome de Memórias Iconográficas, por que este é meu diário virtual, e aqui fica minhas memórias (ou seja, lembranças), Iconográficas por que é através das imagens que irei guardar minhas memórias.



Os livros que tenho lido, minha bíblia, minha agenda de anotações e
meu caderno do pequeno príncipe onde tenho escrito os meus contos...

As crônicas da Srta Audrey - Parte III




Anteriormente falei que minha lembrança mais antiga de minha amizade com a Srta Audrey era da pérola da nossa amiga Luana, que cismou que a Bahia e o Rio Grande do Sul faziam divisa...
Na verdade, minha amizade com Srta Audrey se deve a uma terceira pessoa: Fräulein Rachel.
Deus realmente escreve certo por linhas tortas! Tudo começou por que estávamos no terceiro ano do ensino médio e no final do ano iríamos prestar vestibular, quando paro e olho para essa época, vejo o quanto eu era ingênua... Mas então, Como Srta Audrey era uma mocinha aplicada nos estudos e seu maior sonho era entrar para uma universidade federal, ela vivia atrás dos professores. O interesse de Fräulein Rachel não era muito diferente, mas focava seus estudos mais para os concursos públicos, logo as duas começaram a trocar muitas idéias...
Eu não era muito amiga da dita Fräulein, na verdade havia a conhecido a pouco tempo, graças a uma quarta pessoa, Miss Selenia. Miss Selenia era uma amiga de longa data, com quem eu tive um certo probleminha no passado, mas isso é estória para outro conto, o que interessa saber é que, Miss Selenia era muito amiga de Fräulein Rachel, e que foi através dela que comecei uma feliz amizade com Rachel, essa da qual, acabou me levando até Srta Audrey.
Sei que o parágrafo acima foi uma completa emboleira, mas foi uma emboleira necessária!
Embolei tanto que me esqueci do estava falando...
...
...
...
Ah, sim, estava falando que minha amizade aconteceu por que de certa forma Fräulein Rachel acabou me aproximando da Srta Audrey, é claro, sem ter consciência disso.
Acho que se não fosse a intervenção dos céus que usou Rachel para nos unir, provavelmente eu e Audrey jamais seriamos amigas...
De todo modo, o espírito aventureiro de minha grande amiga fez com que nós conhecêssemos e isso é o que importa!
Srta Audrey, quero que saiba que escrevo essas páginas, não por que te idolatro (não, de modo algum!), nem por que quero te bajular (esse também não é o motivo), mas para deixar registrado as lembranças da nossa amizade e das peripécias das quais vivemos juntas, pois estas foram muitíssimas importantes para mim, e se sou o que sou hoje, é graças as esses tempos em que partilhamos o mundo.
Te adoro maninha!

7 de jan de 2012

O Retrato de Dorian Gray - O filme (2009)


Apesar de fazer uns dias que vi esse filme, ainda não o digeri totalmente. É no mínino conflitante...
Então vamos por partes, como diria meu amigo Jack... o estripador!
Primeiro uma critica que li, e não gostei muito:
 O famoso romance de Oscar Wilde, "O Retrato de Dorian Gray", publicado no final do século 19, ganha uma versão para as sensibilidades juvenis contemporâneas - leia-se, o público consumidor de "Crepúsculo". Não, Dorian não foi transformado num vampiro casto e romântico - mas faltou pouco para isso. Na interpretação de Ben Barnes (o príncipe Caspian da série "As Crônicas de Nárnia") faltam carisma e sensualidade, sobram olhares vagos e inexpressividade. (Nota da dona do Blog: Discordo completamente desse parágrafo)
"O Retrato de Dorian Gray" muda história do romance e apela para os jovens
O roteiro, assinado pelo estreante Toby Finlay, interessa-se mais pelos elementos góticos do que por qualquer ruminação filosófica que o material ofereça. O sangue jorra desnecessariamente em alguns momentos do filme, em que pouco se pensa e muito se faz.
Pela ótica do diretor e do roteirista, Dorian assume feliz seu destino de jamais envelhecer - enquanto a figura do misterioso quadro pintado por Basil acumula seus pecados. Já os outros personagens, envelhecendo a cada dia, também não parecem muito intrigados quando veem o velho amigo com o mesmo aspecto jovial de sempre.
Fonte:Cinema Uol


Na minha humilde e simplória opinião, o filme foi muito bom, é claro que não é possível captar toda a essência de um livro em um filme, mas achei muito boa a adaptação e achei bastante injusto falar tão mal assim da atuação de Ben Barnes, além de que se o sujeito quer ver orgia (e olha que eu achei que tinha demais) ele que alugue um filme porno neh?
Quanto ás atuações:
Eu amei a atuação do Ben Barnes em as Crônicas de Nárnia, mas em Dorian Gray, ele esta estupendo!!! Dorian chega a Londres como um ingênuo garoto de 20 anos, e bem, ele realmente parecia ser um ingênuo garoto de 20 anos, quando começa a se desencaminhar ele vive o personagem de forma tão latente que não conseguimos acreditar que chegou “ser” aquele garoto inocente... E por assim vai, Dorian tem altos e baixos, muitas mudanças em sua personalidade, que foram interpretada tão bem pelo ator, que fiquei de queixo caído. Quando ele tinha suas recaídas de piedade, ficamos lamentado por ele, tendo dó, mas quando o lado obscuro dele reina, é de ficar fulo da vida. Sem contar que nós momentos que ele finge bondade para algum personagem especifico, agente custa acreditar que ele realmente tenha sido tão dissimulado. As mudanças eram constantes e muito bem interpretadas...
Ben Barnes interpretou muitíssimo bem o papel de Dorian.
Outra pessoa que interpretou super bem, foi Colin Firth, se sua atuação como Mr. Darcy me deixou um pouco insatisfeita, não posso dizer sobre dele quanto Lord Henry. Teve momentos em que queria dar umas boas bofetadas nele, outras, no entanto queria entender o nível de mediocridade do personagem. Ele interpretou muitíssimo bem, mas ainda creio que boa parte da culpa de Dorian ter se tornado o que tornou, foi culpa dele.
Quanto ao figurino e Cenário:
Impecável! Mas aqui devo fazer uma grande ressalva, e isso quanto a Dorian Gray. Lendo a obra de Oscar Wilde, notei que a aparência de Dorian era o oposto da do Ben Barnes, mas analisando as fotos de autor dessa obra pude perceber que o Bem Barnes lembrava-o muito.
Também ao ler um pouco sobre a biografia sobre Oscar Wilde, percebi que este levou uma vida muito parecida com a de Dorian, e lendo mais um pouco, percebi que não era a única que partilhava dessa idéia. Logo tive a sensação de que a escolha por Ben Barnes também se deve, por que ele lembraria bastante Oscar Wilde, ao menos foi essa impressão que tive. Sem contar que é claro, ele fizeram com que Dorian usasse roupas de Dândi, como o próprio Oscar gostava de usar.
Agora voltando ao figurino, estava impecável e o cenário também, me senti transportada ao século XIX, bem no auge da Era Vitoriana.
Sobre a história em geral:
É contraditório para mim. Vi que Lord Henry procurou desencaminhar Dorian o tempo todo, e que este pregava uma “doutrina” que ele mesmo não seguia, e que quando foi colocada em pratica por Dorian, este o criticou veementemente.
Também vi em Dorian, um rapaz de personalidade fraca, um tanto sensível, mas inda assim fraca e que ainda por cima se deixou levar pelas aparências, é claro que parte da culpa deve recair sobre Henry, mas a Dorian pertence a outra parcela de culpa.
O final é um tanto interessante, a eterna juventude de Dorian e o retrato pintado por Basil é o grande X da questão, e também a parte mais interessante da obra.
Recomendo, pena que um filme tão bom não ganhou nenhuma estatueta...

Conhecimento...


Para Refletir...


6 de jan de 2012

Marcelin Caillou - Sempé


Esse livro é uma fofura só!!! Tive que lê-lo ano passado para o meu curso de francês e amei. Para quem não sabe ler em francês, existe uma versão em português, que se chama Marcelino Pedregulho.
Bom, não espere um épico, é apenas uma historinha bonitinha para crianças, mas é tão fofinha, tão cativante e com um fundo moral tão bonito, que bem, qualquer um pode e deve ler.
O livro conta a historia de Marcelin Caillou, um menino que fica com o rostinho vermelho sem motivo aparente algum, qualquer coisa o faz ficar vermelho e nem é por vergonha, ás vezes ele esta andando e simplesmente o rosto dele fica vermelho. Devido a isso, o garoto se torna isolado, seus colegas riem dele por causa disso. Tudo isso muda até que chega um novo menino na escola, que tem um problema como Marcelin, o menino espirra toda hora e seu espirro é estrondoso, e aparentemente não há nada o que se fazer por ele. Devido aos espalhafatosos espirros o garoto também é deixado de lado pelos colegas.
Marcelin e o novo garoto (que eu esquei o nome) se tornam amigos, aliás, grandes amigos. Bem, eu vou para por aqui, pois qualquer coisa a mais que eu diga ira estragar o lindo final. Vale salientar que o livo é ilustrado por ninguém mais, ninguém menos que Sempé, um dos maiores ilustradores da França. Eu pessoalmente acho as ilustrações do Sempé lindas, á um tempo atrás peguei um monte de ilustrações dele, desde então venho prometendo a mim mesma que iria colocá-las aqui.
Bem, minha nota para o livro é 5, pois para mim, ele é completo em tudo! Ah, e antes que eu esqueça: existe uma linda animação desse livro que eu ainda não consegui baixar...

O Direito de ter Opinião!


Tudo começou no facebook, essa rede de relacionamento que mais afasta as pessoas do que as aproxima. Uma coisa bem comum no facebook, é compartilhar imagens das quais tem “mensagens” que você apóia, e o motivo desse texto é justamente esse.
Um belo dia, uma conhecida que estudou comigo postou uma imagem de casais homossexuais que tinha “filhos”, em frente a cada imagem estava escrito: isso é uma família, e logo abaixo tinha uma imagem de um outdoor em que aparecia a Foto do Silas Malafaya contra a legalização de certos direitos dos homossexuais, e na frente da imagem colocou: isso é um babaca. Eu simplesmente coloquei que não curti a imagem e isso me rendeu uma discussão horrorosa no facebook!
Então deixe eu apresentar meu argumentos!
Nunca fui tão extremista com relação ao homossexualismo, apesar de não apoiar tal movimento respeito e sempre respeitei quem tem essa orientação sexual, o que me deixou fula da vida são dois pontos em que a maioria das pessoas resolvem ignorar a respeito desse assunto.
O primeiro de todos é: as pessoas acreditam piamente que o simples fato de acreditar em Deus é mais do que o suficiente para saber o que Deus deseja da humanidade. O meu não curtiu me rendeu uma briga e tanto, a idéia era apenas mostrar que eu não concordo com o opinião dela (direito meu né?), ai me vem a sujeita e coloca que Deus se importa com o coração e não com opção sexual. Argumentei com a minha coleguinha que de fato Deus se importa com o coração, mas tenha dó, ele espera que façamos o que o agrada e ele disse de gêneses a apocalipse que não tolera o homossexualismo. A resposta dela? A bíblia foi escrita por homens! Mas mesma bíblia escrita por homens foi usada por ela como referencia para argumentos. E ai chegamos a outro tópico desse assunto, qual o problema das pessoas??? Não aceitam as verdades contidas na bíblia e ainda ousam pegar texto isolados para usar como argumentos! A bíblia deve ser lida no seu todo, jamais isoladamente. Já estou farta dessa hipócrisia generalizada, fico irritada quando pessoas como essa minha coleguinha, que sei que é católica da boca para fora, acham que sabe tudo sobre Deus, quando nem se quer teve uma experiência real com ele.
O tópico número dois e não menos importante é o tema desse post. Por mais que não concorde com o homossexualismo (e isso não é só por que esta escrito na bíblia, mas também por que vai contra nossa natureza), respeito quem é homossexual, e respeito sua indiviadualidade, mas exijo que respeitem a minha. Da mesma forma que um homossexual tem o direito de ser homossexual eu tenho o direito de não concordar!!! Eu vivo em um país democrático, onde tenho o direito de expor minha opinião, e minha opinião é que eu não concordo com o homossexualismo. Tenho direito de ter uma opinião diversa, mas o que acontece é que as pessoas que acham que o homossexualismo esta certo, acha que nós que não concordamos estamos sendo preconceituosos e atrasados por não concordar. O que acontece é que quem é atrasado são essa pessoas por não respeitarem o meu direito!
A grande X da questão é que tenho direito a ter uma opinião, o fato dela ser contraria ao que a maioria pensa não a torna errada ou até mesmo um motivo para me calar. Minha opinião é essa, e da mesma forma que a constituição do meu país garante aos homossexuais serem o que eles querem ser, a mesma constituição garante que eu discorde deles.
Que fique claro, a fato de não concordar com o homossexualismo não quer dizer que eu apóie movimentos contra essas pessoas, só apoio aqueles movimentos que tentam garantir que o meu direito de discordar de tais pessoas não seja cerceado!

Miscelânia de Férias! #3


Meu Deus, estou desesperada!
Janeiro esta ai e não ainda não fiz quase nada!!!
  • ·   Dezembro de fato foi um mês muito tumultuado, na verdade sempre é! Sempre muitas festas e confraternizações para participar... Não participei de muitas, mas deu para perder a conta... Mas como sempre, é ótimo!!!
  • ·Estou feliz comigo mesmo, vejo que cada dia que passa consigo fazer com que o blog se pareça com aquilo que sempre imaginei para ele, sempre o imaginei como um diário, onde eu coloco coisas que eu gosto, nem sempre da minha autoria (na maioria das vezes), mas como se fosse uma espécie de caderno, uma miscelania de coisas minhas reunidas em um só lugar...
  • ·         Gostaria deixar registrado que o blog não é nem nunca foi literário, se um dia será, só Deus sabe. O fato de falar sobre livros, é por que eu realmente gosto muito0 deles, e fazem parte da minha vida de forma especial, e acredite quando eu digo que em minha agenda pessoal, tem muitas páginas dedicadas aos meus livros.
  • ·         Também estou feliz por que descobri que a Editora Hagnos pretende lançar até o final do ano os dois outros livros das crônicas de Aedyn, além de, a Suma das letras, enfim, vai lançar a trilogia da Nevoa!!! Ok, to viciada no Zafon!!!
  • ·         Hoje o dia foi apertado, acordei tarde para variar... Mentira, sempre gosto de acordar cedo e etc e tal, mas meus irmãos estão de férias e ficam ouvindo aquela por caria de Rock o dia inteiro, logo eu só tenho tido prazer e paz durante a noite quando todo mundo esta dormindo!!! Sem contar que dividir a net aqui em casa tá osso...
  • ·         Então, estava falando do dia hoje! Hoje fui resolver uns probleminhas e depois acabei tendo que ir ao dentista, mas a boa notícia é que acabei e encontrando com uma amiga que fazia uns meses que não a via. Foi ótimo. Simone querida, te adoro!!! Foram quase duas horas e conversas que me deixaram com um gostinho de quero mais, colocamos parte da conversa em dia...  A parte ruim foi quando fui a biblioteca publica e bem não pude pegar livros por causa da minha carteirinha vencida..rsrsrsrs... Mas isso não foi o suficiente, aproveitei e dei uma olhada nós livros que queria levar, sentei em um dos corredores e ali mesmo comecei a ler um livro, foi delicioso...
  • ·         Semana passada cheguei a conclusão que não vale a pena ficar guardando tanto rancor, quero dizer, fazia tempo que não conversava com uma certa amiga, nem sabia bem por que, resolvi esquecer tudo e seguir em frente, no entanto enquanto lia um livro evangélico, Deus começou a me incomodar, me mostrou que ainda havia rancor em meu coração. Então decidi que iria engolir o meu orgulho o tanto que tivesse que engolir, mas não permitiria que aquela fosse a minha pedra de tropeço. Mandei um e-mail para minha amiga (fazia quatro anos que não conversávamos) e resolvi tirar a história a limpo, mesmo que eu não soubesse bem o que aconteceu. Acredite, foi reconfortante...
  • ·         Ah, estou vendo o filme o retrato de Dorian Gray e estou amando, em breve farei uma super crítica ao filme, tentarei ser o mais profissional possível! O filme esta conseguindo mexer comigo de uma forma sensacional, não da forma negativa, ou me influenciando negativamente, mas me levando a pensar e raciocinar coisas...
  • ·         Para aproveitar o embalo, peguei o livro também para ler e estou amando!
  • ·         Hoje conversando com a Simone cheguei a seguinte conclusão: Tem certas histórias do nosso passado que não devem e nem merecem ser tocadas, o motivo disso só eu sei, e como não sou boba e seu que esse blog é bem mais publico do que se supõe, vou fazer como faço com minha agenda, deixo tudo no ar.

·         A minha cabeça está fervilhando de idéias...
·         Bom, então é isso, em breve eu volto!!!

5 de jan de 2012

Marina - Carlos Ruiz Zafón


Neste livro, Zafón constrói um suspense envolvente em que Barcelona é a cidade-personagem, por onde o estudante de internato Óscar Drai, de 15 anos, passa todo o seu tempo livre, andando pelas ruas e se encantando com a arquitetura de seus casarões.

É um desses antigos casarões aparentemente abandonados que chama a atenção de Oscar, que logo se aventura a entrar na casa. Lá dentro, o jovem se encanta com o som de uma belíssima voz e por um relógio de bolso quebrado e muito antigo. Mas ele se assusta com uma inesperada presença na sala de estar e foge, assustado, levando o relógio. Dias depois, ao retornar à casa para devolver o objeto roubado, conhece Marina, a jovem de olhos cinzentos que o leva a um cemitério, onde uma mulher coberta por um manto negro visita uma sepultura sem nome, sempre à mesma data, à mesma hora.

Os dois passam então a tentar desvendar o mistério que ronda a mulher do cemitério, passando por palacetes e estufas abandonadas, lutando contra manequins vivos e se defrontando com o mesmo símbolo - uma mariposa negra - diversas vezes, nas mais aventurosas situações por entre os cantos remotos de Barcelona. Tudo isso pelos olhos de Oscar, o menino solitário que se apaixona por Marina e tudo o que a envolve, passando a conviver dia e noite com a falta de eletricidade do casarão, o amigável e doente pai da garota, Germán, o gato Kafka, e a coleção de pinturas espectrais da sala de retratos.
Em Marina, o leitor é tragado para dentro de uma investigação cheia de mistérios, conhecendo, a cada capítulo, novas pistas e personagens de uma intrincada história sobre um imigrante de Praga que fez fama e fortuna em Barcelona e teve com sua bela esposa um fim trágico. Ou pelo menos é o que todos imaginam que tenha acontecido, a não ser por Oscar e Marina, que vão correr em busca da verdade - antes de saber que é ela que vai ao encontro deles, como declara um dos complexos personagens do livro.

Cheguei a conclusão que eu sou uma pessoa muito chata e muito louca na hora de escolher os meus livros e que também o critério de escolha dos livros é meio nebuloso até mesmo para mim. Digo isso por que o critério usado para comprar o livro Marina, EU ainda não entendi! É, eu sei, isso não é normal, talvez Freud explique...
Mas a verdade é que o livro a princípio não me chamou muita atenção, eu via o livro e sentia um certo desprezo, nem sei por que! Mas a capa era bonita e o livro estava de promoção, resolvi dar uma chance, li a sinopse e fiquei louca para ler. Dá para entender?? Não, não dá!
No final das contas, assim que o livro chegou, eu o devorei, eram apenas 180 páginas, e não sosseguei enquanto ele não terminou. E a sensação que tive é que a muito tempo não lia um livro tão bom!
Marina é um suspense narrado na primeira pessoa, álias, é uma lembrança. Tudo se desenrola pela paixão de Óscar Drai pela bela arquitetura de Barcelona, em uma de suas andanças, descobre um velho casarão, tomado por uma subta coragem, adentra o casarão e fica encantado com uma linda voz que vinha de dentro da casa, ele encontra um relógio quebrado e após tomar um susto sai correndo levando o relógio, e é aqui que começa a aventura que ira mudar a sua vida.
Eu amei o livro, Zafón me deixou hipnotizada com a forma que escrever. Nem demais, nem de menos, apenas na medida. Ele não se perde em descrição, só diz o que é necessario, nos enovela em várias tramas secundárias, e nada é o que parece ser. Uma trama com nuances noir.
Eu fiquei alguns meses só lendo clássicos da literatura, por que estava farta de ler os livros tão ruins que vinham sendo lançados, Crepúsculo trouxe consigo uma leva de péssimos livros, e os lançamentos que eu lia eram todos uma porcaria... No final das contas, desisti resolvi garimpar bem os meus livros. Amei ter dado uma chance a Marina. Zafón escreve de forma poetica, leve e envolvente. Você se sente ligado aos personagens.
Minha nota é 5, não apenas pela form bem amarrada que é a trama, mas pela forma poetica e sem buracos que Zafón escreve, ele é um encantador de almas...

As Crônicas de Aedyn - Alister McGrath


Eu estou em uma fase da minha vida em que o que mais tem me chamado a atenção em um livro é a capa. Com as Crônicas de Aedyn não foi diferente, veja bem, eu gosto de imagens épicas e a capa é uma imagem épica, também já disse a primeira coisa que chama a atenção em um livro é o titulo e a capa. E até aqui, as crônicas de Aedyn, fez um bom trabalho!

Eu realmente fiquei reseosa, primeiro por que o livro só tem 180 páginas, depois por que tem ilustrações no livro, e por que a princípio o primeiro capítulo do livro não me agradou e por último e não menos importante, fiquei com um imenso medo do livro ser uma “cópia” das Crônicas de Narnia.
Felizmente, me enganei! Coloquei na minha cabeça que o livro era voltado para o público infantil, depois, me desfiz dos meus preconceitos, posteriormente foi minha mente crítica e preconceituosa que tive que me desfazer.
Então... o livro é ótimo! Mas vale a ressalva, como livro infantil, não espere um épico a lá os livros de cavalaria. As imagens eram muito interessantes, o autor partiu de uma premissa muito parecida da de Nárnia, mas que no determinado tempo tomou um rumo completamente diferente.
Não obstante, da mesma forma que Nárnia, as Crônicas de Aedyn é um livro cristão e que tenta através da fantasia ensinar as crianças valores cristãos. Eu particularmente amei! É claro que não tem o calibre de Nárnia, mas ainda sim é muito bom. É um livro leve e de leitura fácil.
Pesquisei um pouquinho e descobri que o livro será uma trilogia, quando será lançada a continuação aqui no Brasil, só Deus sabe, mas uma coisa posso adiantar, as editoras evangélicas tendem a ser bem agéis. Vale ainda ressalvar que, pelo que pesquisei, toda a triologia já foi publicada no EUA, um fator bom, haja vista que é uma chatisse ter que ficar esperando séculos para os autores publicarem um volume de alguma série.
Deste modo, pelo trabalho da obra em geral, nada mais justo do que uma nota 4.
OBS.: Entrei em contato com a Editora Hagnus e fui informada de que até o final deste ano, os demais livros serão publicados.

Pensamento do Dia # 9

Hoje vi essa imagem no meu facebook gostei tanto que além de compartilhar, resolvi deixar registrado aqui.





Verdade!!! Quer tomar um porre de livro já!!!

4 de jan de 2012

Por que Escrevo???




"Escrevo para aliviar minha alma, para satisfazer os meus anseios e registrar tudo o que penso em dados momentos, deixar fragmentos daquilo que gosto para um dia relembrar e ver como mudei.
Não sou perfeita, nem espero ser, mas desejo do fundo do meu coração melhorar cada dia mais."

                                                                                                                           Natalie Cazalonga